Amamentação

Bem-vindo,Agosto Dourado, o mês  dedicado ao incentivo à amamentação.

A cor dourada está relacionada ao padrão ouro de qualidade do leite materno. Essa primeira semana do mês de agosto é também  a Semana Mundial da Amamentação, uma semana coordenado pela Aliança Mundial para Ação em Aleitamento Materno (WABA), que é uma rede global de indivíduos e organizações dedicados à proteção, à promoção e ao apoio ao aleitamento materno em todo o mundo.

Em 2022, o tema dessa semana é “Fortalecer a amamentação educando e apoiando”. 

Nós, da Luz de Candeeiro, apoiamos essa causa e oferecemos informações seguras e de qualidade para as famílias que estão sendo assistidas por nós. Mas, especialmente neste mês, queremos contribuir com o movimento da Semana Mundial da Amamentação, compartilhando informações e respondendo algumas perguntas que surgem com frequência nas consultas. 

Vamos lá?

O que eu preciso para conseguir amamentar? 

Desejo, informação e apoio.

O sucesso da amamentação é a ponta do iceberg, que é sustentado por uma série de pilares que possibilitam que amamentar seja possível e prazeroso. Muitas vezes, nesse iceberg, entram componentes negativos. É preciso atenção e cuidado para excluí-los do seu processo. Nesse  processo intenso, fortalecer o seu querer, deixando-o capaz de se sustentar em meio às dificuldades de amamentar, ter acesso aboa informação e uma boa rede de apoio são o tripé de uma experiência positiva.

Aqui na Luz de Candeeiro, nós temos espaço para falar sobre as dores e as delícias da amamentação, fazendo com que esse momento possa ser compartilhado em uma rede de mulheres! 

Continue lendo esse texto, pois, ao longo dele, vamos te dar algumas dicas, ferramentas, conselhos e informações para que seja você encontre um caminho de conseguir amamentar tendo uma boa experiência, para você e para o seu bebê

Lembre-se: conseguir amamentar é só a ponta do iceberg.  Para chegar ao topo, desafios precisam ser vencidos. 

Como me preparar para a amamentação?

A gestação é o melhor momento para se preparar para a amamentação,, quando você ainda não tem um bebê precisando de atenção e cuidado. Nós vamos dar 3 dicas fundamentais para te auxiliar nesse preparo: 

1°) Tenha informação, mas na medida certa para que você não racionalize além do necessário, pois a amamentação é um processo fisiológico que pode ser facilitado quando a mulher consegue sentir e escutar seu corpo. Entender o que é o colostro, leite maduro, o que é a pega do bebê, por exemplo, pode trazer uma base importante.

Porém, cuidado para que o excesso de informação não enfraqueça a sua confiança num processo que é fisiológico. Por isso, é importante também se conectar com o seu sentir e com as suas percepções.

2°) Ainda na gestação, toque suas mamas e coloque todo conhecimento adquirido em prática. Vá em frente ao espelho, entenda o que é o mamilo, o que é a região das aréolas, o que são as glândulas, como manejar a mama para o bebê conseguir abocanhar o máximo da aréola e também entenda como são os movimentos para realizar a ordenha. Tudo isso vai trazer facilidades para que a amamentação flua bem.

Clique aqui e assista ao vídeo para entender a sua mama e saber como fazer a ordenha. E clique aqui para saber como é a pega correta na amamentação.

3°) Faça um planejamento de pós-parto com foco na rede de apoio, para que aquelas pessoas que vão te auxiliar neste período tenham as mesmas informações que você. Isso ameniza possíveis conflitos e fortalece as relações. Você pode trazer a pessoa que vai estar cuidando de você no pós-parto para uma consulta de pré-natal e compartilhar as informações sobre amamentação com ela. Além disso, você pode buscar uma rede de apoio avançada, como banco de leite e consultora de amamentação sempre que sentir necessidade ou que dificuldades maiores apareçam.

 As famílias cuidadas pela Luz de Candeeiro são guiadas nesse caminho de preparação e  acompanhadas nos primeiros dias de vida do bebê,para que  o aleitamento se estabeleça bem. 

Como alimentar o bebê quando eu não conseguir amamentar?

Para muitas mulheres, a amamentação bem sucedida pode demorar a se tornar uma realidade por diversos motivos. E isso não é significado de menos amor ou, tampouco, menor ligação entre mãe e bebê.

Enquanto as dificuldades ainda estiverem muito presentes, você pode recorrer a suporte especializado em bancos de leite ou de consultoras de amamentação e as fórmulas lácteas, caso o ganho de peso do bebê esteja preocupante, podem ser prescritas por pediatra.

Uma dica importante da Luz é: ofereça seu leite ordenhado ou a fórmula em colherzinha, copo ou xícara (peça ajuda para aprender como), pois, toda vez que é oferecido um bico artificial, fica mais difícil para o bebê acertar a pega no seio.

Esse bebê fofo da foto estava no terceiro dia de vida e recebeu o próprio leite materno ordenhado na xícara. Isso pode ajudar na recuperação de lesões nos mamilos de sua mãe, por exemplo.

Esse treinamento também é útil para os momentos em que a mãe não possa estar presente ou para programar a volta ao trabalho após o término da licença maternidade.

O que podemos dizer é: quando está vivo o desejo no coração da mulher e ela recebe apoio adequado, é, sim, possível vencer as dificuldades e fazer valer a pena a amamentação!

Existem ferramentas que podem me auxiliar com a amamentação?

Sim!! Vamos te apresentar três opções  úteis nesse momento da amamentação:

HAKKA

É um coletor de leite muito útil para mulheres que tem uma ejeção abundante de leite. Muitas vezes o bebê está mamando em um peito e escorre leite da outra mama.

O Hakka vai fazer uma ventosa, fixar na mama e coletar o leite, que pode ser armazenado e doado!

Em Brasília, você encontra tudo sobre doação de leite materno no site.

– COLHER DOSADORA

É uma alternativa para oferta de leite sem usar mamadeira. O uso da mamadeira de bico de silicone pode gerar confusão de bico e de fluxo e contribuir para o desmame precoce. Por isso, a colher dosadora é uma excelente alternativa para você dar leite para o bebê.

Clique aqui e assista ao vídeo onde explicamos como usar o Hakka e a Colher Dosadora.

– ROSQUINHA DE AMAMENTAÇÃO

Logo no início da amamentação, é comum que ocorra a dificuldade em conseguir a pega correta do bebê no seio e isso pode causar fissuras ou escoriações nos mamilos, que são pequenos machucados. 

Uma das formas de tratamento é deixar essa região respirar, sem  tecidos encostados nos mamilos. Para isso servem as rosquinhas de amamentação! Você pode comprar ou até fazer rosquinhas com fraldinhas ou pedaços de tecido!

Quais são os benefícios da amamentação para o bebê?

A amamentação, para além de um gesto de amor e doação da mãe para o bebê, é também uma função fisiológica extremamente importante para saúde de ambos!

Pelo leite materno, a mãe passa diversos nutrientes e anticorpos que protegem o bebê, evitam diarreias, infecções respiratórias, diminuem o risco de doenças alérgicas e diabetes, por exemplo. Além disso, o ato de mamar contribui para o desenvolvimento da musculatura orofacial do bebê, desenvolvendo e aprimorando funções relacionadas à mastigação, à deglutição e à fala.

A Organização Mundial da Saúde e o Ministério da Saúde do Brasil recomendam o aleitamento materno exclusivo nos primeiros seis meses de vida do bebê (nem de água ele precisa) e que a amamentação seja mantida até os 2 anos ou mais.

Mesmo na amamentação continuada por mais tempo, persistem os benefícios nutricionais e de proteção contra doenças. Se você deseja seguir amamentando, se essa relação está boa pra você e pra sua criança, confie e vá em frente! Esqueça os mitos e os palpites contrários! ;o)

Quais são os benefícios da amamentação para mulher?

Além da possibilidade de perceber beleza e sentir prazer ao  amamentar sua cria, o processo é muito benéfico para a mulher!

Os benefícios da amamentação para mãe são:

  • Auxilia na contração uterina, sendo importante para evitar hemorragia pós-parto e também contribui para que útero volte ao seu tamanho e lugar originais;
  • Auxilia na perda de peso no pós-parto;
  • Previne o câncer de mama.

É normal sentir cólica no início da amamentação?

Sim, é normal que a mulher sinta cólicas nos primeiros dias de amamentação. Quando ela amamenta, é liberado o hormônio ocitocina que faz a ejeção do leite e também o   útero contrair e voltar para o tamanho original, o que pode dar cólica. 

Por isso, sempre gostamos de dizer: Não é romantismo é ciência. Esse processo fisiológico produz o alimento do bebê e auxilia o corpo da mãe a se recuperar após a gestação e parto.

Como a Luz auxilia as mães com a amamentação? 

O foco da Luz de Candeeiro durante a gestação não é somente na preparação para o parto. Entendemos que  gestação, parto, nascimento, pós-parto e amamentação são igualmente importantes. 

Por isso, nosso pré-natal engloba informações e conhecimentos acerca de todos esses processos. 

Então, como a Luz de Candeeiro auxilia as mulheres com a amamentação?

Na prática, vamos:

– Compartilhar informações ao longo do pré-natal com a mulher e sua parceria;

– No pós-parto imediato (logo que o bebê nasce), vamos acompanhar a primeira mamadapara garantir que a mulher tenha uma boa experiência e o bebê tenha uma boa pega;

– Vamos avaliar a mulher e o bebê entre o 3° e o 4° dia após o parto, período em que costuma ocorrer a apojadura (descida do leite),  para dar orientações sobre a ordenha, a pega do bebê e dar mais informações que vão servir de alicerce para uma boa amamentação. 

Vem pra Luz! Aqui cuidamos de você e do seu bebê na gestação, no parto e no nascimento. 

Clica aqui para conhecer mais nossos serviços!

Existem leis que amparam o direito da mulher de amamentar? 

Sim! A amamentação é um direito garantido por lei. Todas as mães têm o direito de amamentar seus filhos. No trabalho, em casa e até quando estão privadas de liberdade, elas têm direito a alimentar o seu filho no peito. 

O art. 396 da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) estabelece que para amamentar o próprio filho, até que este complete 6 meses de idade, a mulher terá direito, durante a jornada de trabalho, a 2 descansos especiais, de meia hora cada um. 

O aleitamento materno é também um direito da criança. Segundo o artigo 9º do Estatuto da Criança e do Adolescente, é dever do governo, das instituições e dos empregadores garantir condições propícias ao aleitamento materno.

Em tempo de pandemia é mais seguro oferecer fórmula do que amamentar meu bebe?

Para responder essa pergunta precisamos entender de onde veio essa afirmativa.

A pandemia de Covid-19 piorou o cenário mundial no que diz respeito ao aleitamento materno, por algumas razões:

  1. A sobrecarga do  sistema de saúdelevou ao comprometimento do apoio à amamentação pela falta de pessoal;
  2. A necessidade de distanciamento físico prejudicou  as oportunidades para aconselhamento em amamentação;
  3. Alguns países implementaram políticas, não baseadas em evidências, de separar bebês e de suas mães em caso de suspeita de Covid-19;
  4. O distanciamento social resultou na falta de rede de apoio, sem a qual é muito mais difícil conseguir amamentar; 
  5. A propaganda de substitutos para o leite materno seguiu forte. 

Portanto, nós te perguntamos: Será que essa pergunta é resultado da desinformação sobre a COVID-19, da falta de apoio, e das fortes campanhas de marketing das indústrias que vendem fórmulas?

Para aprofundar um pouco mais nesse assunto, nós te convidamos a clicar aqui e entender essas razões, lendo o texto do blog da Mães com Ciência, fonte das afirmativas acima.

Agora respondendo à pergunta: 

“Em tempos de pandemia é mais seguro oferecer fórmula ao invés de leite materno?” 

O leite materno é o melhor alimento que um bebê pode ter, ele é a primeira vacina do bebê. A partir do leite de sua mãe, o bebê constrói sua imunidade, se protegendo de diversas doenças.  A formulá não tem a capacidade de fazer isso pelo seu bebê. Há estudos que comprovam, inclusive, que bebês de mães vacinadas contra a Covid-19 recebem proteção (anticorpos) pela placenta e pelo leite materno, reduzindo o risco de hospitalização por essa doença em até 60% nos primeiros 6 meses de vida.

O colostro, leite amarelado e grosso que a mãe produz nos primeiros dias após o nascimento (antes da apojadura), é também extremamente importante  para recém-nascidos. É muito nutritivo e ajuda a proteger contra infecções. Por isso,  é essencial que bebês recém-nascidos  fiquem perto de suas mães e  amamentados na primeira hora de vida, a hora dourada.

__________

Em resumo…

A alquimia de transformar sangue em leite (e afeto, microbiota, anticorpos e tantas coisas) e amamentar a cria tem suas delícias e suas dores, como a própria vida. Momentos de pleno amor. Momentos de zero glamour.

A escolha de proporcionar todos os benefícios da amamentação – exclusiva até os 6 meses e prolongada até quando der – a um/a filho/a exige da mulher um nível altíssimo de disposição e disponibilidade que é difícil colocar em palavras.

Pro sucesso da amamentação, é preciso vontade, boas informações e apoio, apoio, mais apoio. Do companheiro, da companheira, da família, das amizades, de profissionais, da sociedade.

São absolutamente dispensáveis julgamentos e pitacos. Empatia e diversas formas de carinhos são bem-vindas. Pode ser um copo de água ou uma carne cortada no prato do almoço.

A média mundial de aleitamento materno exclusivo é bem baixa (a brasileira é das melhores: 54 dias). É necessário estabelecer estratégias para melhorar esse cenário, pois não faz sentido acreditar que as mulheres são incapazes de amamentar e os bebês incapazes de mamar, se saciar, crescer e se desenvolver ou que só é possível ver o ponteiro da balança subir com complemento. Quão forte é a pressão das indústrias alimentícias e farmacêuticas nesse contexto?

É claro que há mulheres e bebês que, apesar de todo empenho e apoio, encontram verdadeiros obstáculos nessa empreitada. E, para essas duplas, é o leite artificial o veículo da nutrição física para os recém-nascidos. Ainda bem que existem as fórmulas. Outras formas de vínculo, contato e afeto são, claro, absolutamente possíveis e lindas! 💜

As mulheres também não precisam carregar (mais) essa culpa.

Nessa Semana Mundial da Amamentação, nosso desejo é de que haja apoio e reconhecimento para mulheres que amamentam e que toda a comunidade que as cerca se veja corresponsável pelo sucesso da amamentação e sua importância. 💜