Apoio psicoterapêutico na gestação e puerpério

A gestação e o puerpério são momentos transformadores na vida de uma mulher. Além das transformações físicas e emocionais já esperadas durante a gravidez, as mulheres se deparam com uma série de novos desafios.

Sentimentos como medo, culpa, autorreprovação, tristeza, insegurança, sobrecarga, ansiedade, crise de identidade, elevado nível de exigência, mudança de papéis, perda da libido, preocupação com o estado emocional de outros filhos, são alguns dos mais comumente citados por mulheres que estão vivenciando uma gravidez ou o primeiro ano de sua maternidade. No contexto de pandemia, tudo fica ainda mais potencializado diante da solidão real causada pelo isolamento e distanciamento social.

As idealizações, as expectativas construídas e alimentadas culturalmente também podem gerar estranhamentos. As mulheres podem se sentir julgadas, cobradas e insuficientes. As ideias de plenitude, de instinto materno e de amor incondicional podem contribuir para que elas se sintam incapazes, o que intensifica a sobrecarga, a culpa e outros aspectos que contribuem para sua vulnerabilidade emocional.

Um apoio profissional com caráter psicoterapêutico nesse período é muito importante e pode ser um fator de prevenção e proteção, diminuindo as chances de aparecimento de sofrimentos intensificados e outras questões de Saúde Mental. A principal contribuição de um apoio psicológico está na escuta qualificada e manejo diferenciado sobre cada mulher e os seus processos da gravidez e puerpério.

Em um espaço psicoterapêutico as mulheres podem expressar seus pensamentos, medos, ansiedades, duvidas, surpresas e descobertas. A partir do manejo adequado, elas passam a nomear sentimentos, olhar suas vulnerabilidades, suas potencialidades e podem construir recursos para lidar melhor com todas as mudanças que chegam junto com a nova condição de ser mãe.

Os impactos subjetivos são muitos e singulares. Ainda que com diversos aspectos sociais partilhados com outras mães, cada mulher viverá a travessia da maternidade à sua maneira. O apoio psicológico, seja individual ou em grupo, contribui para o seu fortalecimento. É por isso que a Ciranda da Luz está aqui! Para ofertar cuidado, escuta e acolhimento; ser rede de apoio e ajudar a transformar.

Para ofertar uma escuta especializada, amorosa, aberta, presente e sem julgamentos.Para ser afago e ferramenta de sustentação às mulheres mães.

A Ciranda da Luz realiza o acompanhamento psicoterapêutico das mulheres que são assistidas pela Luz de Candeeiro na gestação, no parto e no pós-parto. Temos o propósito de acolher, criar conexões entre mulheres e fortalecê-las.

Nosso objetivo na Ciranda da Luz é atender e acolher mulheres em seus processos emocionais decorrentes da gravidez, parto e puerpério; Auxiliar as mulheres na busca da autoconfiança e do empoderamento por meio do acolhimento, do cuidado e do acesso à informação; Apoiar as mulheres na construção de maternidades mais leves e compassivas.

Como funciona a Ciranda da Luz?

A Ciranda da Luz acontece por modalidades de cuidado individual e em grupo. E como isso funciona?Atendimentos individuais – escuta que pode ser pontual (de apenas um encontro) ou um acompanhamento psicoterapêutico para as mulheres que sentirem necessidade de aprofundamento e acolhimento diante dos seus estados emocionais.

Atendimentos em grupo: rodas de escuta com fins terapêuticos que possibilitam o acolhimento técnico, troca de experiências, construção de: laços e de rede de apoio entre mulheres.

Ao longo de toda a gestação desde o início do acompanhamento pré-natal com a Luz de Candeeiro, a mulher poderá solicitar atendimento psicológico individual com a Ciranda da Luz, ou participar dos encontros em grupo que acontecem semanalmente e que são organizados por trimestre da gestação.  

O que ganho participando da ciranda?

  • A diluição de angústias e sofrimentos gerados naturalmente pela condição da maternidade e, evidentemente, potencializados pelo contexto atual, mais isolador e solitário da pandemia;
  • A oportunidade de encontrar, trocar experiências e aprender com outras mulheres que estão vivendo experiências semelhantes;
  • A possibilidade de construir redes de amizade, de afeto, de apoio;
  • Apoio psicológico;
  • O acesso a informações atualizadas;
  • A oportunidade de construir maternidades mais leves e compassivas.

Para participar das nossas rodas, a gestante ou puérpera não precisa estar atravessando dificuldades emocionais. Basta se sentir motivada a construir sua maternidade e seus novos lugares no mundo de maneira atenta e sensível, uma vez que a construção da sua nova identidade demanda tempo e elaboração.

Category: Terapia
Post anterior
Relato Ana Paula, nascimento do Martin
Próximo post
Um processo de muito aprendizado, de entregar, confiar, aceitar e agradecer…